quinta-feira, 31 de maio de 2012

SUGESTÃO para EMPRESAS de BOTAFOGO E HUMAITÁ pós BENESSE URBANÍSTICA


Hoje entra na pauta da Câmara de vereadores, mais uma vez, o projeto de lei para aumentar um andar em uma casa de uma pessoa. O Urbe CaRioca já explicou no post BOTAFOGO:BENESSE URBANÍSTICA A CAMINHO todas as implicações da proposta defendida como necessária (!) que pode até parecer inofensiva. Afinal, tão pequeno, em uma casinha...

MANSÃO NA ÍNDIA - REVISTA VANITY FAIR E CADERNO ELA ON LINE DO JORNAL O GLOBO


A imagem publicada hoje, coincidentemente, no Caderno Ela On Line do Jornal O Globo pode inspirar futuros pedidos de aumento de andares só para EMPRESAS - clínicas, hospitais, escolas, sedes administrativas, academias de ginástica -, depois que vereadores e prefeito aprovarem a lei.

Por que não?

terça-feira, 29 de maio de 2012

QUARTEL DA PM, A ENORME PEQUENEZ

Domingos Peixoto / Agência O Globo
Fonte: Pesquisa Globo on Line


QUARTEL DA PM, A ENORME PEQUENEZ

Para tratar de Aquartelamento, Segurança e meandros jurídico-administrativos existem a Polícia, os juristas e o Ministério Público. Ao Urbe Carioca só cabe analisar a polêmica sobre o Quartel da PM sob o ponto de vista urbanístico. Por isso qualquer comentário parte da premissa de que o Quartel será efetivamente desativado, ou seja, prédio e terreno ficarão sem uso.

Fica a curiosidade sobre quem nasceu primeiro: saber se a saída da polícia foi decisão anterior e gerou a ideia milionária, ou se o desejo de vender a área expulsará a PM.

O caso do Batalhão é tão simples que uma frase basta para dar início a qualquer debate: LUGAR, TERRENO E PRÉDIO NÃO SÃO COMUNS.

Historiadores já repudiaram a proposta do governo para o LUGAR que há quase duzentos anos recebeu um quartel; protestos contra a demolição do PRÉDIO centenário explodem nas redes sociais; o TERRENO é um espaço único no Centro da Cidade: construções baixas no seu enorme perímetro formam o pátio interno para onde se volta uma capela. A falta do tombamento não elimina a História e a Memória. Visualmente o Rio respira no percurso entre os Arcos da Lapa e o Teatro Municipal.

No Rio de Janeiro o proprietário de um terreno vazio ou edificado que queira nele construir deve ir aos órgãos públicos aprovar um projeto de arquitetura e obter licença para demolir. Obedecida a lei urbanística, demolição e construção serão autorizadas.

O Estado, porém, não é um proprietário qualquer. Ao propor um negócio imobiliário para o Terreno do Batalhão o Governo Estadual mostra, de novo, sua enorme pequenez*, já notória com o caso do Metrô, entre outros exemplos. Reduzir o Patrimônio Cultural do Rio a escombros para que nasça mais um prédio comercial – que poderia ser construído em outro lugar – em troca de dinheiro que ninguém sabe para onde vai, é perder a oportunidade única de integrar aquele espaço à Urbe CaRioca e abri-lo para a população. É mesquinho* (coincidência: v. acepção 5).

Por outro lado, é chocante o apoio do Governo Municipal, sem voz ativa, embora seja o único responsável pelas decisões em relação ao uso do solo por determinação constitucional.

Para a Petrobrás há o Porto Maravilha, que implora por empreendimentos. Se a questão é proximidade com a Sede, há outros terrenos vazios no Centro, há prédios do Governo Federal abandonados e até os muitos imóveis igualmente abandonados pela Prefeitura, disponíveis conforme decreto anunciado há uma semana. A própria Petrobrás, além de sua sede modernosa, usa edifícios novos, como a Torre Almirante, e adaptados, como o Edifício Nilomex, exemplar Art-Decó objeto de restauração e reforma.

Para combater a pequenez dos nossos administradores e considerando ser verdade que o imóvel da Rua Evaristo da Veiga não será mais usado como quartel, o Urbe CaRioca convidou todos que têm apreço pelo Rio - não apenas urbanistas e arquitetos – a apresentarem sugestões em relação ao uso do Terreno do Batalhão.

·       Premissa: O Batalhão será desativado.

·       Condições: Ser o melhor para cidade e população sob o ponto de vista urbanístico. // Respeitar, valorizar e divulgar a Memória do Rio e o Patrimônio Cultural CaRioca.

Recebemos várias sugestões que serão apresentadas em seguida.

*PEQUENEZ – Dicionário Houaiss
 substantivo feminino
1     qualidade de pequeno
2     período da infância; meninice
3     pequena altura, estatura reduzida
4     Derivação: sentido figurado.
qualidade de insignificante, de mesquinho
Ex.: a p. daquele ato deixou-o chocado
5     Derivação: sentido figurado.
falta de elevação, de estatura moral ou intelectual
Ex.: a característica principal de seu espírito era a p.

*MESQUINHO – Dicionário Houaiss
 adjetivo
1     demasiadamente agarrado a bens materiais; avaro, sovina
Ex.: velho m.
2     desprezível, parco, parcimonioso
Exs.: esmola m.
presente m.
3       escasso de recursos; pobre, medíocre
Exs.: vida m.
 discurso m.
4       falto de grandeza, de magnanimidade
Ex.: sentimentos m.
5       que demonstra estreiteza de espírito e de visão
Exs.: atitude m.
 política m.
 dirigentes m.
6       insignificante, ordinário, reles
Exs.: moradia m.
 jovem de aspecto sombrio, m.


segunda-feira, 28 de maio de 2012

FUTURO DO RIO, OU... RIO DO FUTURO

"Uma imagem vale mais do que mil palavras" Provérbio Chinês


Licença poética sobre fotografia da prefeitura divulgada pelo Jornal O Globo
Criação e arte: A.A. e P.A.


 "A Prefeitura não faz legislação pontual
para ninguém".
Causa estranheza a afirmação publicada no Jornal O Globo há algumas semanas, diante de várias leis urbanísticas publicadas ou em análise na Câmara de Vereadores desde os primeiros dias do ano 2009, 445º Ano da Fundação da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, a saber:
·       Um espigão no Corredor Cultural – Lapa;
·       Um espigão no lugar da antiga Fábrica da Brahma – demolida;
·       Índices construtivos para Zonas Militares no Fundão – para GE, e no Leme – para residências de militares;
·       Prédio anexo para o BNDES ao lado da sua sede em área originalmente non-aedificandi e hoje com altura restrita a 12,50m; muda o Plano Urbanístico da Esplanada de Santo Antônio para o pequeno talude, resto do morro demolido, que ficou livre de construção;
·       Aumento de índices urbanísticos e isenções fiscais só para Hotéis;
·       Transformar o uso de prédio de residencial, no Flamengo, do Clube de Regatas do Flamengo, para hotel, a ser comprado por aquele que onde fura, acha;
BENESSES URBANÍSTICAS A CAMINHO
·       Aumentar gabarito de uma casinha em Botafogo para produtora cinematográfica (BOTAFOGO, Benesse Urbanística a Caminho);
·       Lei para aumentar altura em terreno da Casa da Moeda, na Zona Portuária
·       No Leme - área non-edificandi na APA - e no Fundão – para General Electric;
·       Construções maiores que vizinhas no terreno do antigo Curtume Carioca;
·       Projeto de lei específico para a Igreja gigantesca que existe em Del Castilho – não precisa de taxa de ocupação, entre outros mimos;
·       Transferência de potencial construtivo específica para terrenos da Barra da Tijuca na APA MARAPENDI – Área de Preservação Ambiental;
·       GUARATIBA pós Túnel da Grota Funda, mais uma área de expansão urbana;
·       QUARTEL DA PM no Centro.
BENESSES COMPLEMENTARES
·       PL 966-A/2011 – Perdão dívidas de ISS e IPTU para clubes de recreação – OBS. Todos nós, contribuintes, contribuiremos para o salário de um jogador de futebol, com verba que é da cidade.
·       Isenções fiscais só para Hotéis – já aprovada.
Obs. LEIS GERAIS QUE AUMENTARAM ÍNDICES  CONSTRUTIVOS
·       PLANO DIRETOR Lei 111/2011 - alterou índices IAT e eliminou a possibilidade de usar a figura do Solo Criado presente no Plano de 1992;
·       ZONA PORTUÁRIA – em que pese a louvável e necessária revitalização da região, as anunciadas parcerias público-privadas até agora se resumem ao uso de recursos públicos: obras de urbanização feitas com orçamento do município e CEPACS, até aqui, compradas pela Caixa Econômica Federal;
·       PEU VARGENS - Vargem Grande, Vargem Pequena, Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes e Camorim;
·       VENDA de áreas públicas e próprios municipais (praças, áreas verdes, canteiros, lotes de escola, áreas de recreação, lazer, utilidades públicas e sociais);
·       MAIS VALIA – além de legalizar obras irregulares incentivou novos acréscimos fora dos índices vigentes;
·       PACOTE OLÍMPICO – modificações em vários bairros; ex.: hotéis em geral, Catumbi e Sambódromo, Barra da Tijuca, Jacarepaguá, Deodoro, Marapendi, Alto da Boa Vista e Guaratiba;
·       PEU PENHA – aumento geral de gabaritos em todo o bairro e eliminação da área de proteção da visibilidade da Igreja.

domingo, 27 de maio de 2012

A SEMANA – 21/5/2012 a 25/5/2012

 

 21/5/2012   RESUMO DA SEMANA 14/5/2012 a 19/5/2012




www.alquimidia.org

23/5/2012 VENDO O RIO – QUARTEL DA PM E BIGORRILHOS

Notas: - A polêmica sobre o terreno do Batalhão da PM continua.

              - Prefeito desistiu dos Bigorrilhos.

 

BIGORRILHO
Foto: Eduardo Paes - Fonte: Jornal O Globo
Domingos Peixoto / Agência O Globo
Fonte: Pesquisa Globo on Line

 

 

24/5/2012 DECRETO PROPAGANDA + NOTÍCIAS sobre QUARTEL e BIGORRILHOS


Centro, Rio de Janeiro, 20/5/2012
Acervo Urbe CaRioca

 Nota: O Jornal O Globo lançou hoje o novo formato de classificados. Em duas páginas do jornal impresso e na primeira página do jornal on line, o importante veículo de comunicação presenteia o Rio de Janeiro com imagem linda do Centro da cidade SEM OS ESQUELETOS que permaneceram depois que os cartazes publicitários foram retirados.

 

O Urbe CaRioca agradece ao O Globo a oportunidade de divulgar a beleza do Rio com mais céu à vista que, esperamos, surja em breve, de verdade.

 

Lançamento de campanha publicitária do Jornal O Globo em 27/5/2012

25/5/2012
Fonte: Wikipedia

CIDADE MARAVILHOSA, PATO DONALD E ZÉ CARIOCA

sexta-feira, 25 de maio de 2012

CIDADE MARAVILHOSA, PATO DONALD E ZÉ CARIOCA

CrôniCaRioca
Fonte: Wikipedia

Sexta-feira é dia de CrôniCaRioca, por isso vamos deixar um pouco de lado Metrô, Quartel da PM, Bigorrilhos que são um ode à especulação imobiliária, e os esqueletos das finadas propagandas.
Ontem apareceu o perdão a dívidas de ISS e IPTU para clubes, mas nem vamos falar sobre isso agora para não estragar o fim-de-semana. Mais sobre o Quartel da PM, só na próxima semana.
Afinal, hoje é sexta-feira e o Urbe CaRioca completa um mês! Em agradecimento a todos que têm prestigiado o Blog e contribuído com informações e comentários, um presente.
O filme curta-metragem de animação dos Estúdios Disney, lançado em 1942, já circulou pela internet e todos devem ter visto. Esta versão no Youtube, entretanto, tem algo a mais: uma introdução mostra a Cidade do Rio de Janeiro filmada na época, e o que inspirou os profissionais. Zé Carioca não fala só de Samba, Carnaval e Cachaça. Nomina nossos bairros e monumentos naturais, além de pontos turísticos tradicionais. Mostra prédios que não existem mais, como o Cassino Atlântico, por exemplo, e o ”glamour” dos anos 1940, que também desapareceu.
Não há CrôniCaRioca que supere esta: um pincel que cria e colore a cidade, como se fosse o próprio Cristo Redentor a retratar sua obra.
Para ver e rever de tempos em tempos.

Pato Donald e Zé Carioca em Aquarela do Brasil
Filme Alô Amigos – Estúdios Disney, 1942

Fonte: YouTube

quinta-feira, 24 de maio de 2012

DECRETO PROPAGANDA + NOTÍCIAS sobre QUARTEL e BIGORRILHOS

LETREIROS / PROPAGANDA

O tema já estava programado para hoje, aqui no Urbe CaRioca. O Jornal O Globo, entretanto, há dois dias publicou excelente matéria a respeito com dados preciosos para os interessados. Por isso uma pequena análise em tópicos é bastante para detalhar a questão:

Glória, Rio de Janeiro, 20/5/2012
Acervo Urbe CaRioca

Centro, Rio de Janeiro, 20/5/2012
Acervo Urbe CaRioca
O Decreto nº 35507 de 27/4/2012 obriga à retirada de cartazes publicitários no Centro e na Zona Sul, para valorizar a paisagem urbana.

A pressa para retirar os cartazes foi midiática - Os donos deveriam tê-lo feito em prazo estipulado. Trabalho feito pela Prefeitura significa despesa com dinheiro público. O que está regular não pode amanhecer irregular, sem período de transição. As estruturas vazias são mais feias do que os cartazes, e continuam, motivo para um Post.zitivo com elogios, ressalvas e muitas dúvidas.
Glória, Rio de Janeiro, 20/5/2012
Acervo Urbe CaRioca

Botafogo, Rio de Janeiro, 20/5/2012
Acervo Urbe CaRioca
      ·       Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço -  v. § 5º do art. 6º.
      ·       Exceções com autorização do Prefeito – necessário saber se haverá análise técnica ou será critério pessoal.
·       Banners para divulgar eventos – vale a questão anterior. Se tiver a marca do patrocinador dá no mesmo:  é propaganda.
Orla de Copacabana, Rio de Janeiro.
Fonte: Pesquisa Internet
·       Orla
o   Quiosques da orla continuarão com propaganda – Não são exageradas, mas tiram a elegância das coberturas projetadas por Índio da Costa que deveriam ficar livres. Nomes abaixo dos balcões, divulgação por outros meios, bons produtos e o “boca-a-boca” seriam mais do que suficientes.
o   Sugestão: retirar nome do Banco Itaú de bicicletas e bicicletários, propaganda ambulante pela orla e toda a cidade. As cores da instituição e divulgação por outros veículos (não “as magrelas”) bastam.

·       Faixa de domínio das lagoas – retirar cartazes do Lagoon. Seja de filmes ou eventos, é propaganda.
Lagoa Rodrigo de Freitas
Fonte: Pesquisa Internet
·       Hotéis – saber o que é “ao longo da fachada”. Cf. prédio do BB (foto acima). 
·       Tolerância para totens – dentro dos lotes, com 6m de altura e visto da rua, se tiver marca ou patrocinador, dá no mesmo: propaganda.

·       Muito bom:
o   Imóveis não edificados – muros têm sempre cartazes de shows que emporcalham a cidade. Se estiverem proibidos, ótimo.
o   Anúncios não poderão descaracterizar fachadas, cobrir fachadas, ficar em empenas, coberturas, tapumes, telas, sobre marquises, nem invadir calçadas.
o   Estão proibidas faixas com chamada para ofertas de produtos e letreiros de estabelecimentos com propaganda.
o   Multas para todos – artigo 21.
NOTA do Urbe CaRioca: Espera-se que quando os próprios governos desrespeitem as normas, sejam também multados.

 NOTÍCIAS
BIGORRILHO
Foto: Eduardo Paes - Fonte: Jornal O Globo
·       BIGORRILHOS v. post anterior
o   Sugestão recebida: “Os motoristas de táxi não gostaram do novo bigorrilho. Podiam aproveitar a ideia do designer para a campanha de reeleição. Tira a palavra Táxi e escreve O Rio Vai Ficar Assim”.

·       QUARTEL DA PM v. post anterior

o   O Globo 24/5/2012 – Segundo a matéria a PM informa que o Estado vai demolir o Quartel General para vender o imóvel (construção original data de 1740), e que a demolição evitará embargos à negociação e ao novo empreendimento. Antes, porém, a demolição terá que ser autorizada pelo Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural.
       NOTA do Urbe CaRioca: a última palavra é do Prefeito.


Comentário publicado na Newsletter de 24/5/2012 (Boletim de Notícias Ex-Blog) sobre o terreno do Batalhão da PM.
PERGUNTAS IMOBILIÁRIAS QUE EXIGEM RESPOSTA!
1.      Primeiro foi a Eletrobrás. Depois foi a Assembleia Legislativa do RJ. Agora a Petrobras. Mas se a área portuária é uma prioridade, se o FGTS aplicou 3 bilhões e meio de reais nela, se as autoridades justificam os investimentos em infraestrutura sinalizando que em breve será um "point" de escritórios no Rio..., então porque nenhum desses grandes investimentos imobiliários projetados vai para a Área Portuária?   

2.       Por que o terreno para o prédio da Eletrobrás que pertencia ao fundo de pensão dos servidores do Estado do Rio, custou23 milhões de reais e esse do QG da PM-RJ custará 335milhões de reais se são tão próximos? Os acionistas da Petrobras gostariam de saber! Bem, o da Bolsa que ia custar ainda mais que esse do QG da PM-RJ foi cancelado depois da explosão de protestos. Que tal uma explosão de protestos em relação à Petrobrás? 

3.      Em relação à Petrobras, a presidente Dilma e a nova presidente da empresa, que posam de austeras, não tem nada a dizer?

QG DA PM-RJ: CABRAL MENTIU EM FEVEREIRO!   
 1.  (Globo, 24) RIO - A Polícia Militar informou nesta quarta-feira que a Empresa de Obras Públicas do Estado (Emop) ficará encarregada da demolição de todo o conjunto arquitetônico do centenário Quartel-General da Polícia Militar, na Rua Evaristo da Veiga, no Centro. Assim, o governo do estado atenderá à exigência que a Petrobras fez para a compra do imóvel, cuja construção original data de 1740. Antes, porém, a demolição terá que será autorizada pelo Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural, já que o imóvel está dentro de uma Área de Proteção do Ambiente Cultural (Apac).  
  2. (agência Estado, 19 de fevereiro de 2012) O governador do Rio, Sérgio Cabral, afirmou hoje que estão avançadas as negociações para a venda de um terreno no centro da cidade do Rio que abriga atualmente o quartel general da Polícia Militar. Um dos interessados no terreno é a Petrobras.  Segundo o governador, o prédio histórico será preservado e se transformará em um museu. No resto do terreno, a estatal, se confirmada a compra, deverá construir um novo prédio.