terça-feira, 31 de dezembro de 2013

2014 SEM CASTIGOS, UM DESEJO URBANO-CARIOCA


Wikimedia


A ideia era fazer uma retrospectiva de 2013, no blog e, naturalmente, agradecer aos queridos leitores que têm prestigiado este espaço que se auto intitula “urbano-carioca” e desejar a todos que 2014 seja um Bom Ano, repleto de boas notícias, saúde, e esperanças renovadas!

Mas, o curioso artigo A Escolha do Castigo, de Aydano A. Motta na coluna Panorama Carioca, jornal O Globo de alguns dias atrás, mudou os planos. Instigada pelo título, qual não foi a surpresa ao encontrar um texto que se fazia bem humorado e engraçado, mas, como tantos diálogos entre ELOGILDA E RECLAMILDA e entre URBANILDO BARBOSA E CREMILDO DE ALMEIDA, carregado de seriedade.

O autor, certamente indignado com mais um ataque à estátua de Carlos Drummond de Andrade, em Copacabana, em “temporada de presentes e desejos” propôs uma série de castigos especiais ao casal desrespeitoso com o patrimônio público, já identificado, “Tudo bem carioca”, infelizmente relacionado ao dia-a-dia da população.

Da nossa parte, para o casal – e para qualquer pessoa que aja da mesma forma -, nosso desejo é que ficassem à disposição da Prefeitura durante algumas horas por dia – fora do seu horário de trabalho, caso trabalhem – limpando pichações semelhantes, por um ano.

Quanto aos ‘presentes’ idealizados pelo colunista, nosso desejo é que jamais pudessem ser realizados no Rio de Janeiro. Como diria um padre amigo, algumas situações só acontecem “em outras Paróquias”. Assim, sonhamos que o casal não poderia receber as tais punições porque, de oito dos dez castigos urbano-cariocas imaginados, quem sabe, muito em breve tudo ficará melhor e deixará de ser torturante!

A seguir, a lista de Aydano Motta e as soluções em futuro próximo, tomara!





Mapas Linha 5: Blog Metrô do Rio



·       Sair de Niterói (ou da Barra, ou da Ilha do Governador) na hora do rush, de ônibus — sem ar-condicionado, claro. E em pé. Todo dia, durante um ano.
o   A Linha 3 do Metrô que liga o Rio a Niterói, anunciada em 1987, estará pronta. A Linha 4 verdadeira Botafogo-Jardim Botânico-Gávea-Barra, o Metrô até o Aeroporto Internacional, concluídos. Haverá menos ônibus circulando, todos com ar-condicionado, tarifa barata, menos automóveis nas ruas. Engarrafamento será passado.
·       Pegar o trem da SuperVia cedinho, lá na Baixada, com direito a cassetete dos seguranças cantando no lombo. Todo dia, por mais um ano.
o   Os seguranças já estarão educadíssimos, categoria Amy Vanderbilt. Os trens, reformados e transformados em Metrô, passarão a intervalos curtos, viagens confortáveis, sem castigo.
·       Assistir à entrega de todas as medalhas Pedro Ernesto, na Câmara de Vereadores, ao longo de toda uma legislatura. Aplaudindo. Em pé também.
o   As medalhas serão poucas, entregues apenas àqueles que realmente se dedicaram à cidade e às causas públicas. Os discursos serão curtos, precisos e os textos pertinentes. Seria um prazer.
·       Ficar na Via Binário durante uma chuva de verão.
o   A via Binário funcionará bem, a rede de drenagem e os túneis que o Prefeito esqueceu-se de fazer antes de demolir a Perimetral estarão prontos. Ouve-se dizer que em vez do VLT salvador o prefeito juntou-se ao governador para construírem a Linha 5 do Metrô.
·       Ficar na Avenida Brasil durante outra chuva de verão.
o   A drenagem na Avenida Brasil funcionará. Com o transporte de massa suficiente, o trânsito fluirá. Não seria um castigo pra valer...
·       Praticar mergulho na Lagoa na próxima mortandade de peixes.
o   A CEDAE cumprirá suas funções; ligações clandestinas serão eliminadas, infratores serão multados. Com a ampliação do canal do Jardim de Alah haverá oxigenação, menos mortandade, e a água da Lagoa Rodrigo de Freitas ficará limpinha!
·       Varrer a Rio Branco depois da passagem do Bola Preta. Sem gari da Comlurb para ajudar.
o   O povo também terá recebido orientação nos moldes de Amy Vanderbilt. Haverá civilidade. Lixo na rua será passado. Para varrer, só as folhas das árvores.
·       Fazer faxina nos banheiros químicos no fim do réveillon de Copacabana.
o   A Prefeitura instalará mais banheiros. Graças à educação primorosa, saída de casa e de boas escolas públicas e privadas, cariocas e visitantes usarão os banheiros civilizadamente e mediante pagamento de R$0,50 para custear a manutenção da limpeza.



Pena o articulista ter razão, a Paróquia que castiga dia-a-dia de quem nada ‘pixou’ é mesmo a urbe carioca...

Mas, vamos sonhar neste último dia de 2013!


Feliz 2014!


freepick

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

SEMANA 23/12/2013 a 27/12/2013 – NATAL, METRÔ, RISCO DE POLUIÇÃO EM COPACABANA


“Em 16/11/2012 explicamos novamente a diferença entre a Linha 1 e a Linha 4 através do diálogo bem e mal-humorado entre ‘Elogilda’ e ‘Reclamilda’...”

Trecho de ELOGILDA, RECLAMILDA, E O METRÔ DO RIO

 

 

baudefiguras.blogspot.com.br


 

Publicações da semana que passou e textos mais lidos

Os posts imediatamente anteriores; a CrôniCaRioca de Natal – ; a uma homenagem a todos os nenéns e a um em especial - , o Metrô-Linguiça; e o artigo de Carmen Barreto sobre riscos a lençol freático no bairro que já foi a Princesinha do Mar.
Blog Urbe CaRioca


Segunda, 23/12/2013

Blog Diário do Rio





Terça, 24/12/2013

Internet




Quinta, 26/12/2013

O Globo




Sexta, 27/12/2013





Os 10 posts mais lidos da semana
Para acessar copie o título na caixa de pesquisa acima.

MEU PRESENTE DE NATAL

GUARATIBA: O RELATÓRIO DO INSTITUTO DOS ARQUITETOS DO BRASIL – IAB

METRÔ-LINGUIÇA - PARA LEMBRAR: LINHA 1 NÃO É A LINHA 4
SEMANA 16/12/2013 a 20/12/2012 – CASA DE RUI BARBOSA, MÊS DE NOVEMBRO, COMPLEXO DAS PAINEIRAS E O RELATÓRIO DO IAB SOBRE GUARATIBA

UM PROJETO REAL E VIÁVEL PARA O METRÔ DO RIO, por Miguel Gonzalez

Artigo: RISCO AMBIENTAL EM COPACABANA, de Carmen Sá Barreto

Blog Metrô do Rio (não oficial): Operação do Metrô a Partir de 2016

A ESTRELA-GUIA E A ESTRELA DE DAVID

Mais Metrô 6 e UtilitáRio


RIO DE JANEIRO – HOTÉIS EM REFORMA, EM CONSTRUÇÃO, EM PROJETO OU EM ESTUDOS


sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Artigo: RISCO AMBIENTAL EM COPACABANA, de Carmen Sá Barreto

  
Foto 1

O artigo de Carmen Sá Barreto* aponta problemas causados pelas obras de construção de um edifício destinado a hotel, na Rua Barata Ribeiro, Copacabana, em substituição a um pequeno prédio de dois andares.
É certo que o número de hotéis vem crescendo expressivamente desde a criação das leis urbanísticas que ficaram conhecidas por PACOTE OLÍMPICO 1, aprovadas em 2010.


Conforme explicamos em vários posts, incentivos fiscais e o aumento de índices construtivos criados especificamente para aquela tipologia de edificação – HOTÉIS, POUSADAS, RESORTS E ALBERGUES – provocou o que chamamos de ‘enxurrada hoteleira’ na Cidade do Rio de Janeiro, tema analisado em RIO DE JANEIRO - HOTÉIS EM REFORMA, EM CONSTRUÇÃO, EM PROJETO OU EM ESTUDOS, em DEMOLIÇÕES 3 – OS HOTÉIS E O PACOTE OLÍMPICO 1, e em ZONA PORTUÁRIA SEM HABITAÇÃO + HOTÉIS = PACOTE OLÍMPICO 1 , quando mencionamos as leis urbanísticas aprovadas pelo atual prefeito e pela Câmara de Vereadores na gestão 2009-2012.

Porém, o caso trazido ao blog pela engenheira-química está focado nas consequências do método adotado para construir as fundações, o que independe do uso a que o prédio se destina. A menção à tipologia de hotel nesta apresentação é apenas um alerta para que se verifique o respeito aos parâmetros construtivos do bairro, conforme preconiza a Lei 108/2010**, uma das três que criaram benesses para o setor hoteleiro.
Nota: Todas as imagens foram cedidas pela autora.

Urbe CaRioca


Foto 2


RISCO AMBIENTAL EM COPACABANA

Sobre poluição de lençol freático


Carmen Sá Barreto




Na Rua Barata Ribeiro, 173, Copacabana, em frente à Praça Cardeal Arcoverde, a Construtora Engeziler demoliu um pequeno prédio de dois andares, onde funcionava uma Farmácia Popular, para construir, no local, um prédio de 13 andares. (Foto 1)



Foto 3


Retiraram as fundações singelas do antigo prédio, cavaram o terreno para implantação das novas estruturas, monstruosamente maiores, e atingiram um lençol freático da Praia de Copacabana, suponho, de maneira inesperada.






Foto 4

O tratamento que estão dando para o problema é o bombeamento de cimento, através de uma sonda (Foto 2)para o subsolo, onde corre o lençol freático. Mas a Natureza não aceita, de forma passiva, o ataque humano e tem se rebelado, do jeito que pode, jogando o cimento, com água subterrânea, de volta para a superfície. A situação do canteiro de obras é lamentável - um mar de cimento e água – conforme as Fotos 3, 4 e 5. As Fotos 6 e 7 mostram o canteiro de obra, em sua totalidade, com e sem zoom, respectivamente.




Foto 5


Pergunto às autoridades competentes, Prefeitura e aos setores responsáveis –Secretaria Municipal de Urbanismo e Secretaria Municipal de Meio Ambiente - e quaisquer outros órgãos afins:


1) A licença para a construção do prédio considerava a possibilidade deste tipo de procedimento: injeção de cimento em lençol freático?
2) Se não foi considerado este procedimento na licença inicial para a construção do prédio, as autoridades estão cientes do que vem acontecendo e estão de acordo com este procedimento?
3) Foi feito um Relatório de Impacto Ambiental levando em consideração a possibilidade da existência de lençol freático e a injeção de cimento no subsolo?
4) Qual o impacto nos lençóis freáticos de Copacabana, inclusive aqueles que são utilizados nos "chuveirinhos" da praia?
5) Qual o impacto de um produto cáustico como cimento nas águas subterrâneas da praia de Copacabana?


Na Wikipédia, encontramos a seguinte citação: "A proteção do lençol freático é uma preocupação dos ecologistas. Por incorporar todo o líquido que vem da superfície e ainda os elementos hidrossolúveis, diversas práticas humanas oferecem riscos de contaminação deste importante recurso hídrico."

Sem dúvida, a injeção proposital de cimento no lençol freático causará um dano incalculável a todo o sistema freático da região.

Afora estas questões ambientais extremamente preocupantes, ainda há o fato de que a sonda (Foto 2), que precisa injetar o cimento no subsolo em altíssima pressão, faz um barulho altíssimo, incompatível com uma região urbana. Copacabana é o bairro do Rio de Janeiro, e talvez do Brasil, com a maior densidade de população idosa.

É inconcebível a permanência desta obra, que vem produzindo poluição ambiental e sonora nesta região tão querida, que é a nossa Princesinha do Mar, cartão postal do Rio. 

No aguardo de uma manifestação das autoridades e até mesmo da sociedade engajada na preservação do nosso meio-ambiente.


Foto 6

Foto 7

*Engenheira química, atuou nas áreas de petroquímica, petróleo e gás. Formada pela UFRJ em 1976, é pós-graduada em Gerenciamento de Projetos Petroquímicos do IBP; Economics of Petroleum Refining e Supply and Transportation of Oil and Refined Products– Financial Analysis, Business Processes and Performance Measurement – The College of Petroleum and Energy Studies – Oxford.
**Art. 12. Na V Região Administrativa – V RA - Copacabana e Leme – fica permitida a construção de edificação destinada a serviço de hospedagem, não afastada das divisas, respeitando os gabaritos máximos determinados pelo Projeto Aprovado de Loteamento - PAL 22.351 e PAL 33.100 e pela legislação específica para as Áreas de Proteção Ambiental e Cultural, devendo obedecer à volumetria definida para hotel e à Lei Complementar nº 47, de 1º de dezembro de 2000.


quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

METRÔ-LINGUIÇA - PARA LEMBRAR: LINHA 1 NÃO É A LINHA 4


TRAÇADO ORIGINAL da Linha 4, licitado em 1998: a Barra da Tijuca seria conectada à Botafogo, via Jardim Botânico. Uma outra alternativa seria ligar a Barra diretamente à estação Carioca, via Laranjeiras.
Blog As Ruas do Rio, em 2010 - O mapa também indica o trecho não construído da Linha 2.


Final de ano, espírito natalino, pratos deliciosos, reuniões agradáveis, trocas de presentes, reencontros, tempo de esperanças e desejo de renovação. Também há os desentendimentos, as chuvas brasileiras de sempre, os desabrigados, as tragédias, os acidentes...

Quem dera conseguíssemos eliminar os últimos.

Entre Natal e Ano Novo o Blog deveria estar de recesso. Porém, a notícia de ontem no jornal O Globo sobre o início das escavações com o “Tatuzão” em Ipanema, para a obra do Metrô, nos move a fazer um curto comentário. Nada sobre a gigantesca máquina importada, o questionável prosseguimento das obras sem que o governo do Estado abrisse nova licitação, ou as prioridades equivocadas dos gestores conforme já analisado em diversos posts: apenas um detalhe de nomenclatura, também explicado um sem número de vezes: a Linha 1 prolongada – o apelidado METRÔ-LINGUIÇA ou METRÔ DE UMA LINHA SÓ – não é a Linha 4 anunciada.

Difícil contestar quanto até aquele jornal que tem alcance e prestígio reconhecidos, insiste em repetir o discurso do governador.

De todos os textos que escrevemos demonstrando que a nomenclatura usada pelo Estado é errada e enganosa, escolhemos deixar aqui o link para Mais Metrô 8 – Linha 1 + Linha 4 + Praça + Árvores = Mistura Confusa. A visão geral do assunto está explicitada no artigo de Miguel Gonzalez, responsável pelo Blog Metrô do Rio. UM PROJETO REAL E VIÁVEL PARA O METRÔ DO RIO ainda é um dos textos mais lidos desde a publicação em 27/06/2012.

Em 16/11/2012 explicamos novamente a diferença entre a Linha 1 e a Linha 4 através do diálogo bem e mal-humorado entre ‘Elogilda’ e ‘Reclamilda’, as amigas que volta e meia se encontram espremidas nos vagões do Metrô. ELOGILDA, RECLAMILDA, E O METRÔ DO RIO fez sucesso!

Ao tempo em que 2013 termina, pontes espetaculares são inauguradas, o modelo rodoviarista continua a predominar, a Zona Portuária recebe investimentos pesados e descarta as linhas de Metrô (embora construa túneis), a conclusão da Linha 2, abandonada, é substituída por um propagandeado BRS (!), a Linha 4 – ligação Botafogo-Barra via Humaitá e Jardim Botânico – é desconsiderada, a população do Rio acorda cada vez mais cedo para enfrentar ônibus lotados, ineficientes, outros milhares sofrem em vagões de trens e metrô desumanos,  e o ‘Tatuzão’ inicia suas funções em prol demais uma gambiarra do Sistema Único de Metrô do Rio de Janeiro – por constituir-se praticamente de uma linha só, é oportuno lembrar mais uma vez:


A LINHA 1 NÃO É A LINHA 4.




terça-feira, 24 de dezembro de 2013

MEU PRESENTE DE NATAL


Ou simplesmente...
QUERIDA!


Internet



Meu Natal chegou mais cedo, há três meses, bem dizer.
O presente, um poema, que traduz o bem-querer.
Muito embora sem palavras, todas elas cabem nele.
Das felizes, coloridas, cabem todos os matizes.

Sem palavras e sem versos, o poema não tem letras,
Sem estrofes a escrita, nem por isso é vazia.
Tem cabeça, tronco e membros, um semblante.
Dá sorrisos, faz careta, quando dorme é poesia.

Tem um nome, qual poema, este ser especial.
Tão miúdo, mas enorme, tal a força que desperta.
Sentimentos que afloram se sorri quando desperta.
Ser pequeno dependente, ela inspira só amor. 
Dependente? De mim?
Ou dela dependo eu?

Bem querer incomparável.
Ilumina qual estrela.
Amor nato, doce, puro.
Natural, será o sangue?
Cresça logo, cresça bem!
Ame, chore, ria, viva! Cresça logo, com vagar, para tudo aproveitar...

Pequenina gigantesca, dos dedinhos delicados.
Mais um tempo e vou contar muita história pra você.
Tem o conto de Natal, é um conto verdadeiro,
Sobre uma Estrela-Guia que marcou a manjedoura,
No caminho pra Belém,
Onde estava o menino que o mundo iluminou,
E a tantos transformou,
Que se diga, para o Bem.

Tem história da sua 'bisa', de Natais muito animados.
O seu 'biso' de Noel, mesa e pratos caprichados.
Um passado tão presente, todos eles eu vivi.

Meu poema bem-amado,
Sê bem-vinda, nova vida!
Presente perfeito,
Sem versos, sem rima.
Basta a ti uma palavra.
A palavra é Querida!



Internet


______________

À terceira geração de muitos familiares e amigos, vidas que chegaram para alegrar as nossas. E às que ainda chegarão...

À Bianca, Beatriz, Tomás, Aimée, Helena, Pietro, Vítor, Maya, Tomás, Lia, Isabela, Julia, Helena, Dora, Diana, Alice, Diana, Giovanna, Luiz Miguel, Luiz Felipe, Elisa, Camilinha, Sofia... e todos os nenéns a caminho, que o mundo os receba bem.


Boas vindas, nova geração!

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

SEMANA 16/12/2013 a 20/12/2012 – CASA DE RUI BARBOSA, MÊS DE NOVEMBRO, COMPLEXO DAS PAINEIRAS E O RELATÓRIO DO IAB SOBRE GUARATIBA


“Sem entrar no mérito conceitual da ampliação desejada pela Fundação Casa de Rui Barbosa, resta perguntar o que acontecerá quando da formalização do pedido de licença de obras. Alguém precisará autorizar os dois andares além do gabarito da rua.”

Trecho de BOTAFOGO – GABARITO COM FERMENTO 2: CASA DE RUI BARBOSA

 

Recreio dos Bandeirantes, Serra da Grota Funda e Guaratiba
Diário do Rio, 2007

 

 

Publicações da semana que passou e textos mais lidos

Os posts imediatamente anteriores; o projeto para a casa de Rui Barbosa que extrapola o gabarito de altura; os posts do mês de novembro; o cancelamento da autorização da obra no antigo Hotel Paineiras; e o relatório do Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB que desaconselha construir no terreno do Campus Fidei. A quem não conhece sugiro ler O "BRAINSTORM" DO ALCAIDE. É uma diversão muito séria!
Blog Urbe CaRioca


APA Marapendi
Segunda, 16/12/2013





FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA,
 BOTAFOGO, RIO DE JANEIRO
Ana Carolina Fernandes
10.fev.2000/Folhapress
Terça, 17/12/2013




Internet
Quarta, 18/12/2013



Quinta, 19/12/2013



Sexta, 20/12/2013



Os 10 posts mais lidos da semana
Para acessar copie o título na caixa de pesquisa acima.

GUARATIBA: O RELATÓRIO DO INSTITUTO DOS ARQUITETOS DO BRASIL – IAB

COMPLEXO DAS PAINEIRAS: EXTRA! ANULAÇÃO DE ATO ADMINISTRATIVO

UM PROJETO REAL E VIÁVEL PARA O METRÔ DO RIO, por Miguel Gonzalez

BOTAFOGO – GABARITO COM FERMENTO 2: CASA DE RUI BARBOSA

RIO DE JANEIRO – HOTÉIS EM REFORMA, EM CONSTRUÇÃO, EM PROJETO OU EM ESTUDOS

O MÊS NO URBE CARIOCA – NOVEMBRO 2013

SEMANAS 02/12 a 08/12/2013 e 09/12 a 13/12/2012 – FREGUESIA, GOLFE, CONSEMAC, O INDECOROSO PLC 114, A RODOVIÁRIA IMPOSSÍVEL, E A APROVAÇÃO DO PARQUE DAS BENESSES

A ESTRELA-GUIA E A ESTRELA DE DAVID

PEDRAS PORTUGUESAS E CARIOCAS

PACOTE OLÍMPICO 2 – APA MARAPENDI E O “PARQUE” DAS BENESSES URBANÍSTICAS