sexta-feira, 14 de julho de 2017

MORRO DO PASMADO E A PAISAGEM MACULADA – HOMENAGEM E DESPRESTÍGIO

Imagem: Urbe CaRioca


Não é a primeira vez que a Enseada de Botafogo e seu entorno – parte da paisagem urbana que deu título da UNESCO ao Rio de Janeiro - são ameaçadas por elementos estranhos.

Houve quem quisesse instalar uma dupla inesperada na beira d´água - estátuas de Mané Garrincha e de Machado de Assis lado a lado, próximo ao Morro da Viúva que ninguém vê -, salpicar o piso do calçadão de estrelas pretas, e instalar um chafariz no espelho d’água. Por ali também foi cogitada a instalação do monumento às vítimas do Holocausto, objeto desta postagem.

A Roda-Gigante que concorreria com o Pão de Açúcar e o Morro da Urca quase foi espetada na outra ponta do calçadão. Estaria também em uma das visadas do Morro do Pasmado, atrapalhando a vista de quem estivesse no mirante criado no lugar onde existiu uma favela, removida nos anos 1960. Houve reação contrária geral e, em especial, dos moradores de Botafogo. Por enquanto é assunto esquecido.

Felizmente esses projetos não foram adiante.

Mesma sorte não teve o espaço do antigo Pavilhão Mourisco, substituído por uma construção oval onde funcionavam equipamentos esportivos do Clube Botafogo de Futebol e Regatas, mais recentemente substituído por um prédio espelhado que eliminou a visão do Pão de Açúcar a partir da saída de uma das principais artérias do bairro, a Rua Voluntários da Pátria.

Há algumas semanas voltou à tona proposta para criar um monumento às vítimas do Holocausto no alto do Morro do Pasmado. Em maio passado o post MORRO DO PASMADO – A FAVELA, O PARQUE, O QUIOSQUE, O MONUMENTO, E A PAISAGEM MACULADA teve grande repercussão neste blog e nas redes sociais com manifestações contrárias ao local escolhido pela prefeitura devido à interferência negativa na paisagem carioca.

Hoje o noticiário informou que o Prefeito lançou a pedra fundamental da futura construção, o que demonstra total falta de sensibilidade em relação ao principal motivo de orgulho que a Cidade do Rio de Janeiro desperta: a nossa paisagem.

As vítimas do Holocausto merecem respeito e todas as homenagens, vale repetir: tal horror jamais pode ser esquecido.

Porém, qualquer proposta nesse sentido não deveria trazer como contraponto o desprestígio ao Rio, o que demonstrará total falta de sensibilidade dos gestores públicos responsáveis quanto a cuidar da cidade e desrespeitá-la.

O que dizem os órgãos de Patrimônio Cultural?
Urbe CaRioca








Todas as imagens acima foram obtidas na internet

4 comentários:

  1. Carla Crocchi10:36 PM

    Colocar este obelisco em nossa skyline é um verdadeiro holocausto!
    Faço também o questionamento:não irá interferir em rotas do aeroporto Santos Dumont?!

    ResponderExcluir
  2. Lamentável. Os órgãos do Patrimonio Cultural devem estar em estágio terminal.

    ResponderExcluir
  3. Dizer que esse monumento não vai impactar a paisagem preservada do Pasmado é simplesmente risível!

    ResponderExcluir
  4. Total falta de sensibilidade desta comunidade em querer fazer esse monumento neste local de paisagem tombada.Existem muitos locais bem melhores pra esse monumento.Por favor vamos respeitar o tombamento.

    ResponderExcluir